É normal uma grande produção utilizar bastante computação gráfica. Mas, como foi relatado pela equipe de profissionais da Marvel, Vingadores: Ultimato utilizou mais CGI do que o normal. 

O motivo é que o cronograma de gravações era apertado e contava com alguns desafios. Um deles foi reunir um enorme elenco de heróis, o que implica em inúmeros figurinos e cenários diferentes. 

No documentário da Wired sobre a produção de efeitos visuais de Vingadores: Ultimato, foi revelado que a produção estava atrasada. Por exemplo, o traje do Reino Quântico não ficou pronto para as filmagens, assim teve que ser feito a partir de computação gráfica. 


“Os trajes do tempo são uma combinação da tecnologia do Homem de Ferro, do Homem-Formiga e dos Guardiões da Galáxia. Demorou um pouco para chegarmos neles. Na hora que estávamos chegando na versão final, as gravações começaram. Nós sabíamos que construiríamos eles em alguma hora, porque eles tinham a tecnologia nano de Tony Stark que ia e voltava. Acabou que o departamento de figurino não conseguiu desenvolver, medir e fabricar para todos, então fizemos digitalmente”, contou a produtora de efeitos visuais Jen Underdahl. 

Esse não foi o único ponto que ganhou a ajuda digital. A Capitã Marvel teve o uniforme feito com computação gráfica e também os cortes de cabelo que usa em Vingadores: Ultimato

“O traje dela, toda vez que você vê no filme, quando ela está com todo traje, ele é digital. De novo, não estavam prontos para as filmagens de Brie Larson”, garantiu a profissional. 

Underdahl reafirmou que todas cenas da Capitã Marvel envolvem o traje digital. Seja ao salvar Tony Stark no começo do filme ou em chegar na batalha final contra Thanos. 

O vídeo do Wired pode ser visto abaixo. 

Vingadores: Ultimato está disponível em versão digital, DVD e Blu-ray.