A Netflix lançou na semana passada o aguardado El Camino: A Breaking Bad Film, que continua os eventos da elogiada série de Vince Gilligan. Mas as coisas quase aconteceram de forma bem diferente.

Em entrevista para a Entertainment Weekly, o diretor e roteirista Vince Gilligan revelou que tinha planos bem diferentes para a jornada de Jesse Pinkman no filme, que terminaria com sua captura.

“Eu achei que o público poderia decidir como o Jesse escapou, mas que seria o bastante vê-lo dirigindo na noite, vitorioso. Mas com o passar dos anos, eu acabei me perguntando em alguns momentos, ‘Como exatamente ele fugiu? Isso não é algo fácil! E se ele não conseguiu? E se ele foi preso logo na saída?”, indaga Gilligan.


Dessa forma, a ideia de El Camino seria acompanhar essa captura. Mas ele logo mudou de ideia graças a diversos conselhos.

“Brinquei com a ideia de contar essa história no filme, mas cérebros mais inteligentes interferiram. As pessoas que amo e confio, começando com minha namorada Holly, disseram, ‘Você não pode fazer o Jesse Pinkman ser preso no final dessa coisa. Não vá por esse caminho’. E eu disse, ‘Tudo bem, querida’. Ainda bem que eu ouvi a ela, Peter Gould e os roteiristas de Better Call Saul”, conta.

A trama do filme de Breaking Bad acompanha Jesse enquanto ele “foge de seus captores, da lei e de seu passado”, como descreve a Netflix.

El Camino, título do longa, é o nome do mesmo Chevrolet de 1978 que pertenceu a Todd (Jesse Plemons), usado por Jesse para fugir do complexo da supremacia branca, onde foi mantido em cativeiro por Jack Welker (Michael Bowen) como escravo.

El Camino: A Breaking Bad Film já está disponível na Netflix.