Desde sua chegada nos cinemas, Coringa tem sido alvo de inúmeros debates sobre os polêmicos temas abordados no filme, como excesso de violência, transtornos mentais, opressão de minorias, e a subversão do icônico vilão em um herói na trama.

Segundo o The New York Times, Kevin Tsujihara, então presidente da Warner, ficou surpreso quando o diretor Todd Phillips apresentou sua ideia para um filme do Coringa que refletia a mentalidade dos assassinos em massa da vida real.

Apesar de haver uma divergência de opiniões, inclusive entre os executivos seniores do próprio estúdio, a Warner decidiu prosseguir com o projeto, mas com muita cautela.


Como havia uma preocupação sobre como um filme polêmico como Coringa se apresentaria nas bilheterias, eles apostaram em recrutar o Bron Studios e a Village Roadshow para ajudar no financiamento.

Essa decisão acabou sendo bastante barata em comparação com outros filmes de quadrinhos, mas significava que o estúdio teria que dividir os lucros do filme entre seus colegas financiadores.

Desta forma, mesmo com o enorme sucesso que o longa está fazendo até então nas bilheterias, a Warner pode acabar sendo prejudicada financeiramente por este acordo que foi feito, já que não ficará com todo o dinheiro.

Coringa está em exibição nos cinemas brasileiros desde o dia 3 de outubro.