Donald Trump terá uma reunião com membros não identificados da indústria dos video games para discutir títulos violentos e sua possível influência sobre atos reais de agressão usando armas de fogo.

O tópico é quente nos EUA no momento, desde que uma escola da Flórida foi invadida por um ex-aluno armado que matou 17 pessoas. É um incidente que teve similares por todo o país nos últimos anos.

A assessora de imprensa da Casa Branca, Sarah Huckabee Sanders, contou que a reunião será “o primeiro passo em um processo longo de discussão sobre o assunto, que não deve ser resolvido da noite para o dia”.


Samuel L. Jackson xinga Donald Trump após opinião sobre armar professores

No entanto, membros da Associação de Software de Entretenimento (ESA, em inglês) dizem que não receberam convites da Casa Branca, assim como representantes de empresas como Nintendo, PlayStation, Microsoft e EA Games.

“Os mesmos games jogados nos EUA são jogados ao redor do mundo, mas outros países não veem a onda de violência com armas de fogo que vemos aqui. Cientistas já examinaram os efeitos psicológicos dos video games e não encontraram nenhuma evidência de ligação entre eles e atos violentos reais”, disse um representante à EW.