Nessa quinta (21), estreou nos cinemas o terror Hereditário, em que uma família começa a ser assombrada por acontecimentos sobrenaturais após a morte da matriarca.

Crítica | Hereditário

Com Toni Collette liderando o elenco, o filme tem recebido elogios rasgados da crítica – e não é a primeira vez que diretores de terror se apoiam em relações familiares para nos assustar.


Confira as famílias mais perturbadas do horror:

OS SAWYER  (O Massacre da Serra Elétrica) | A família de Leatherface ganhou contornos cômicos na inesperada sequência do clássico de Tobe Hooper, lançada significativos 12 anos depois pelo próprio diretor. Não nos leve a mal – os Sawyer ainda são uma trupe improvável e perturbadora, mas há algo de “pateta” nas disfunções dessa família de canibais.

OS WHITE (Carrie, A Estranha) | Em ambas as adaptações para o cinema do clássico de Stephen King (o superior filme de 1976 e o remake de 2013), o verdadeiro terror não são os poderes telecinéticos da jovem Carrie, mas sim o fanatismo religioso de sua mãe, Margaret – estupendamente interpretada por Piper Laurie e Julianne Moore, respectivamente.

OS TORRANCE (O Iluminado) | Antes mesmo de passar uma temporada no Overlook Hotel, infestado por assombrações, essa outra família disfuncional da obra de Stephen King tinha seus problemas. No entanto, uma vez que toda a loucura homicida de Jack (Jack Nicholson) foi liberada, aquela vez em que ele “acidentalmente” quebrou o braço do filho pareceu fichinha.

OS SHARPE (A Colina Escarlate) | Só mesmo o charme de Tom Hiddleston para explicar porque a protagonista Edith (Mia Wasikowska) decidiu se casar com o ricaço Thomas, mesmo sabendo que ele morava em uma mansão assombrada com sua irmã maligna e super protetora, Lucille (Jessica Chastain). Não é o retrato de uma família feliz.

PAPA JUPITER E CIA (Quadrilha de Sádicos) | Seja no clássico de 1977 dirigido por Wes Craven ou no remake de 2006, a família canibal incestuosa de Quadrilha de Sádicos/Viagem Maldita (duas traduções diferentes do original The Hills Have Eyes) são sem dúvida uma turma perturbada. O filme de 2006 ainda ganhou uma continuação no ano seguinte, O Retorno dos Malditos.

OS ARMITAGE (Corra!) | Embora mantenham uma confortável fachada de liberais, os Armitage escondem uma antiga tradição de capturar jovens negros e “prender” suas consciências a fim de implantar outras em seus corpos. A revelação do final de Corra!, concorrente do Oscar do ano passado, é uma das mais chocantes dos últimos anos dos filmes de terror.

THOMASIN E CIA (A Bruxa) | A família cujo sobrenome não é revelado em A Bruxa precisava fechar nossa lista, visto que todas as suas disfunções são causadas por uma religiosidade extrema que os levou a viverem isolados de sua ex-comunidade no século XVII. A partir daí, os problemas da dinâmica familiar vão ganhando contornos sobrenaturais – e o resto é história… de terror.