Dumbo é o mais novo lançamento em live-action de um clássico de animação da Disney, mas remake não é a palavra certa para definir o filme de Tim Burton.

Aqui, destacamos as principais diferenças entre o novo filme e a versão original de 1941.

Confira abaixo.


Não há números musicais

Os fãs mais saudosistas de Walt Disney ficaram revoltados em saber que não há nenhum número musical no filme de Tim Burton. Eram onipresentes na animação original de 1941, e quase todos realizados por animais falantes. O Dumbo de Tim Burton só mantém “Baby Mine” em um trecho rápido, onde membros do circo a cantam em volta de uma fogueira. O Arcade Fire também produziu um cover da música, presente nos créditos finais. 

Sem animais falantes

Mais um elemento da Disney clássica está ausente. Enquanto todos os animais do circo falam em Dumbo, e movem a trama, o filme de Tim Burton não traz nenhum diálogo com animais. É a abordagem mais “realista”, mas o diretor ainda traz alguns easter eggs, como os ratinhos que acompanhavam Dumbo no original. 

O nome de Dumbo

Outra mudança está no próprio nome do protagonista. Na animação de 1941, o elefante recebe o nome de Dumbo como ofensa, com todos fazendo piadas com suas grandes orelhas. No filme de Burton, é um pouco mais elaborado: ao se apresentar no circo, o elefante filho da Sra. Jumbo aparece sob a placa “Dear Baby Jumbo”, mas uma série de eventos acaba afetando a placa, deixando a letra D cair em cima do J, e ainda fazendo um trocadilho com a palavra “Ear” (orelha). Uma boa referência à brincadeira de palavras que Burton fez em Batman – O Retorno, quando “Hello There” se tornou “Hell Here”. 

A sequência das bolhas

Um dos momentos mais bizarros do original, a cena em que Dumbo vê uma performance de elefantes rosas formados por bolhas de sabão está no remake. Porém, acontece em um contexto diferente (apenas no circo Dreamland) e decepciona por carecer do surrealismo que tornou a cena da animação tão memorável. Era a cena mais propícia para que Burton pudesse abraçar seu lado mais insano, mas acaba transparecendo como só um mero show de luzes. 

Todos os personagens humanos e seus arcos

O filme de Tim Burton faz uma mudança crucial em relação ao original: transfere o foco narrativo dos animais do circo para os humanos, inventando todo o arco da família de Colin Farrell, o circo falido de Danny DeVito e por aí vai. 

Toda a metade final

Essa é de longe a grande mudança. Dumbo é um remake até a primeira metade do filme, quando o elefante consegue voar diante do picadeiro. Todo o restante, que envolve a chegada do V. A. Vandevere de Michael Keaton, a acrobata de Eva Green e toda a trama com a feira de diversões Dreamland foi criada para o novo filme, que age como uma espécie de continuação em sua maior parte. 

Tim Burton (Edward Mãos de Tesoura) cuida da direção e Ehren Kruger (Transformers: O Lado Oculto da Lua) escreve a nova versão, que reuniu um elenco de peso: Eva Green, Colin Farrell, Michael Keaton, Danny DeVito e Eva Green.

Dumbo está em exibição nos cinemas.