Ao longo de sua vasta História, a Disney produziu algumas dos melhores filmes de animação de todos os tempos, evoluindo do método de animação 2D para deslumbrantes imagens em CGI; com destaque para a Pixar.

Porém, todo mundo comete erros. Neste artigo, adaptado de uma lista do Screenrant, apontaremos alguns dos erros e deslizes de animação que a Disney já deixou passar.

Confira a seguir:


A BELA E A FERA

Um dos erros mais famosos da Disney, ele faz menção a um detalhe que passou despercebido aos animadores de A Bela e a Fera. De acordo com o filme, o Príncipe foi amaldiçoado com a condição de Fera quando ainda era uma criança, e a maldição só quebraria se ele encontrasse o amor verdadeiro até os 21, é impossível que exista um quadro de seu rosto humano adulto (mesmo que rasgado), já que o Príncipe nunca foi humano nessa faixa etária.

TARZAN

Claramente, Tarzan não é uma história onde a lógica deve ser levada a sério, especialmente por seus inúmeros animais falantes. Mas a clássica animação comete um deslize no retrato de figuras históricas, visto que Jane e os exploradores querem levar o protagonista para Londres, afirmando que ele conheceria Charles Darwin, a Rainha Vitória e Rudyard Kipling, autor de O Livro da Selva (que inspirou Mogli). Porém, no período em que Darwin faleceu, Kipling ainda era um garoto de 17 anos, e seu livro não estava nem perto de ser publicado.

TOY STORY

Primeira animação da Pixar Studios, é aceitável que Toy Story traga alguns errinhos em sua animação, afinal, é a sina dos pioneiros. Uma das incongruências na saga dos brinquedos Woody e Buzz Lightyear, vemos o grupo de soldadinhos usando um conjunto de babá eletrônica para se comunicar. Porém, a peça que os soldados usam é apenas um alto-falante, não contando com saída de áudio do outro lado – significando que os soldados não deveriam ser capazes de ouvir nada.

VIDA DE INSETO

A fim de espantar seus inimigos, a formiga Flik tem uma ideia engenhosa ao tentar construir um pássaro em Vida de Inseto, ou ao menos sugerir sua presença através de um intrincado jogo de sombras. Construindo a forma do pássaro em uma folha, o grupo de Flik a usa para criar a sombra de um pássaro, algo que é bem irracional se considerar a forma como a luz do sol se comporta – especialmente em uma superfície como uma folha. Mas, bem, formigas falam nesse filme, certo?

MONSTROS S.A.

A premissa de Monstros S.A. é genial, por trazer uma sociedade onde monstros precisam dos gritos apavorados de crianças para abastecer sua cidade escondida. Quando uma garotinha só consegue rir ao vê-los, há um impasse: suas risadas são tão poderosas que causam uma sobrecarga de energia e até apagões. Porém, como a personagem está rindo o tempo todo, apenas momentos pontuais trazem algum efeito de seu timing cômico. Os próprios produtores admitiram o erro, atestando que seria impossível contar uma boa história e se atentar à lógica o tempo todo.

PROCURANDO NEMO

Uma das melhores piadas da excelente animação da Pixar, Procurando Nemo termina com uma cena pós-créditos curiosa: vemos que o grupo de peixes liderados por Gil conseguiu escapar do aquário do dentista, e pulam no oceano dentro de saquinhos com água. O problema é que os saquinhos não boiariam tão perfeitamente como o filme nos mostra, e talvez até afundariam na água salgada.

OS INCRÍVEIS

Em um rápido vislumbre durante o museu nostálgico do Sr. Incrível, vemos um dos jornais emoldurados que trazem um de seus grandes feitos como super-herói no passado. O detalhe que certamente escapou a todos é que a data no jornal é de 16 de setembro de 2002, provavelmente o ano em que a cena foi animada. Os Incríveis é ambientado em uma versão alternativa dos anos 60.

WALL-E

A pequena obra-prima da Pixar traz mais uma incongruência leve, especialmente na concepção de seu protagonista. Em uma versão da Terra que foi completamente devastada e poluída pelos humanos, o robô Wall-E é responsável por organizar e compactar o lixo, de forma a garantir o retorno dos humanos. O problema é que Wall-E não exatamente compacta o lixo, apenas molda sua forma para um cubo. Limpar a Terra nesse ritmo seria impossível, ou muito trabalhoso…

DETONA RALPH

Quando o protagonista Ralph entra em um jogo de tiro a fim de conquistar sua tão sonhada medalha dourada, todos se surpreendem com a velocidade com que Ralph é capaz de vencer o jogo. É ainda mais assombroso quando, após reclamar seu prêmio, o sistema subitamente é desligado pelo dia. Ou o tempo passou rápido demais, ou o sistema é realmente limitado.

FROZEN: UMA AVENTURA CONGELANTE

Um erro muito simples de animação acontece no badalado Frozen: Uma Aventura Congelante, durante o primeiro número musical entre Ana e seu pretendente Hans. Quando a luz de um farol acende sobre o casal, vemos as silhuetas dos dois na parede, mas aparecendo “flutuando” no ar por não trazer o piso. Acontece com os melhores.