Adaptar um personagem amado para os cinemas é sempre um desafio. Por mais que tentem, sempre é possível que os fãs acabem detestando a adaptação, por isso, é até normal que algumas franquias acabem errando bastante com alguns personagens.

O problema é quando isso se torna um hábito e os estúdios estragam um personagem clássico mais de uma vez, como é o caso de Jean Grey, de X-Men: Fênix Negra, que está em sua segunda adaptação fracassada nos cinemas.

Pensando nisso, o WhatCulture listou 10 franquias que, assim como os X-Men, arruinaram personagens icônicos nos cinemas mais de uma vez.


10. Lex Luthor – Superman

A primeira vez

Apesar do seu sucesso como Lex Luthor nos primeiros filmes do Superman, Gene Hackman acaba entregando uma péssima versão do personagem em Superman IV – Em Busca da Paz (1987). Sim, o filme é horroroso, mas o Lex Luthor de Gene Hackman não ajuda em nada com sua atuação fraca e totalmente incoerente com os primeiros filmes da franquia. Um dos grandes vilões dos filmes de super-herói na época, Lex Luthor acabou se tornando uma grande piada no quarto filme da franquia Superman.

A segunda vez

É claro que estamos falando do pavoroso Lex Luthor de Jesse Eisenberg em Batman vs Superman: A Origem da Justiça (2016). A versão jovem do Lex Luthor que Eisenberg trouxe para as grandes telas simplesmente não funciona, tornando o filme ainda mais bagunçado do que ele já é. É claro que a culpa aqui não é totalmente do ator e sim do roteiro ruim que estragou o personagem.

9. John Connor – O Exterminador do Futuro

A primeira vez

John Connor é um dos personagens mais icônicos dos filmes de ficção científica. Apesar disso, sua versão interpretada por Christian Bale em O Exterminador do Futuro: A Salvação (2009) não faz jus ao personagem. O próprio ator se arrependeu de ter feito o personagem e o filme todo é uma bagunça por si só.

A segunda vez

O John Connor de Christian Bale é bem sem graça, mas ele pelo menos não estragou o personagem totalmente como a versão de O Exterminador do Futuro: Gênesis (2015) fez. Aqui, os roteiristas tem a péssima ideia de transformar John Connor em um vilão, tornando ele um híbrido entre homem e máquina, o que é uma decisão que não faz o menor sentido e só mostra como a franquia se afundou em um mar de lama nos últimos anos.

8. Doutor Destino – Quarteto Fantástico

A primeira vez

O Doutor Destino apresentado em O Quarteto Fantástico (2005) é totalmente patético, assim como o filme em si. Infelizmente, o ator Julian McMahon não conseguiu encontrar o personagem e o que ele entrega no fim das contas é um vilão genérico e sem graça. Infelizmente, a versão do personagem que veio depois disso é ainda pior.

A segunda vez

O Quarteto Fantástico de Josh Trank, lançado em 2015, é um dos piores filmes de super-herói já feitos, fracassando mais do que as outras adaptações de Quarteto Fantástico nos cinemas, o que por si só já é um feito inacreditável. Pior do que o próprio filme só a adaptação do Doutor Destino, que não é fiel aos quadrinhos, não é interessante e não empolga em momento algum. O ator Toby Kebbell fez o que pode, mas não conseguiu salvar em nada o desastre feito pela Fox.

7. James Bond – James Bond

A primeira vez

O James Bond de Roger Moore é certamente um dos piores de todos. Sim, essa versão do personagem tem muitos fãs, mas está longe de ser uma unanimidade. No fim das contas, as cenas de ação não são boas e Moore parecia velho para o papel, o que fez com que seus filmes como James Bond acabassem sendo mais bobos do que qualquer outra coisa. 007 – Na Mira Dos Assassinos (1985) fica marcado como pior filme de Moore como James Bond.

A segunda vez

Pierce Brosnan foi um bom James Bond, mas o grande problema é que seus filmes foram piorando gradativamente, até chegarem ao ponto de se tornarem insuportáveis. 007 – Um Novo Dia Para Morrer (2002) é um dos piores filmes da franquia, com um péssimo uso de efeitos especiais que chega a ser vergonhosa. Por sorte, Daniel Craig salvou a franquia logo depois.

6. Ciclope – X-Men

A primeira vez

James Marsden foi uma boa escolha para interpretar o Ciclope, mas a Fox nunca conseguiu explorar o personagem direito nos filmes originais dos X-Men. Sua falta de importância chegou ao ápice em X-Men 3: O Confronto Final (2006) em que o personagem é assassinado por Jean Grey fora de cena. Que jeito horrível de tratar um dos mutantes mais importantes do universo X-Men.

A segunda vez

Com o reboot da franquia, Tye Sheridan foi escolhido para interpretar a nova versão do Ciclope. Apesar de fazer um bom trabalho como ator, o roteiro não ajuda e o personagem acabou se tornando apenas mais um mutante no meio de tantos outros, o que é muito pouco para aquele que é um dos líderes dos X-Men. No fim, o personagem beira a irrelevância tanto em X-Men: Apocalipse (2016) quanto em X-Men: Fênix Negra (2019).

5. Laurie Strode – Halloween

A primeira vez

Laurie Strode (Jamie Lee Curtis) é sem sombra de dúvidas uma das protagonistas mais amadas dos filmes de terror. Mesmo assim, apesar de ser bem representada nos primeiros filmes, a personagem é totalmente negligenciada a partir do quarto filme da franquia Halloween. O ápice dessa falta de respeito chega em Halloween: Resurrection (2002) filme em que a personagem morre de maneira patética pelas mãos de Michael.

A segunda vez

Depois da falha de Halloween: Resurrection (2002), a franquia sofreu um reboot em 2007, que focava na jovem Laurie interpretada por Scout Taylor-Compton. O problema é que essa foi uma péssima versão de Laurie, que não conseguiu conquistar a simpatia do público de maneira nenhuma, fracassando miseravelmente e se mostrando uma personagem arrogante e sem graça.

4. Boba Fett – Star Wars

A primeira vez

Apesar do pouco tempo de tela, Boba Fett (Jeremy Bulloch) deixou uma marca na trilogia original de Star Wars, se mostrando um personagem bem interessante visualmente. O problema é que sua morte em O Retorno de Jedi (1983) é simplesmente patética e tira toda a mística em torno de um personagem que aparentava ser tão durão.

A segunda vez

Boba Fett reaparece em Ataque dos Clones (2002) como um jovem garoto interpretado por Daniel Logan, onde é revelado que ele na verdade é um clone do caçador de recompensas Jango Fett, que o cria como um filho. O problema é que esse fan-service simplesmente rouba toda a mística por trás do personagem, explicando coisas que não precisavam ser explicadas de uma maneira pouco criativa e desinteressante.

3. Frank Castle – O Justiceiro

A primeira vez

Em 1989, no auge da fama, Dolp Lundgren foi escolhido para interpretar Frank Castle em O Justiceiro e o resultado foi pavoroso. A origem de Castle teve pouco a ver com a dos quadrinhos e Lundgren simplesmente não conseguiu fazer com que o personagem fosse interessante para o público, tornando o filme totalmente dispensável.

A segunda vez

O Justiceiro: Em Zona de Guerra (2008) conseguiu ser um reboot ainda pior. Ray Stevenson simplesmente não funciona como Frank Castle e o filme adapta pouquíssimo do espírito dos quadrinhos do Justiceiro. Felizmente, a Netflix presenteou os fãs com a melhor versão do Justiceiro alguns anos depois, interpretada por Jon Bernthal.

2. Jean Grey – X-Men

A primeira vez

Assim como o Ciclope, Jean Grey é outra protagonista de X-Men mal aproveitada nas grandes telas. Famke Janssen é boa interpretando a personagem, mas X-Men 3: O Confronto Final (2006) é tão horrível que nem a boa atuação de Janssen salva a bagunça. No fim das contas, Jean Grey morre como uma máquina de matar sem nenhuma personalidade.

A segunda vez

A jovem Jean Grey (Sophie Turner) também passou longe de ser um sucesso. X-Men: Fênix Negra (2019) é um dos piores filmes da franquia e o roteiro simplesmente estraga  Jean Grey, dando um final monótono e sem vida para uma personagem tão icônica. Sophie Turner é talentosa, mas no fim das contas Jean Grey foi desperdiçada mais uma vez.

1. O Predador – Predador

A primeira vez

O Predador é um ícone da ficção cientifica, tendo um design incrível e uma mitologia fantástica por trás. Mesmo assim, não podemos ignorar o desastre de Alien vs. Predator (2004), que desestruturou o personagem completamente fazendo com que ele se tornasse um aliado da protagonista humana para derrotar a Alien. A ideia foi bem mal sucedida e não deu tão certo quanto os primeiros filmes do personagem.

A segunda vez

O reboot O Predador (2018) trouxe danos irreversíveis para um personagem tão icônico. A ideia de trazer o personagem como o “Ultimate Predador” foi simplesmente ridícula. O visual do personagem não funciona, suas motivações não funcionam e o filme em si não funciona, se tornando mais um desperdício de dinheiro em Hollywood e estragando mais um personagem icônico dos cinemas.

X-Men: Fênix Negra segue em exibição nos cinemas.