Poucas sagas duraram tanto nos cinemas quanto 007, com o icônico e excêntrico agente secreto James Bond.

O primeiro intérprete de Bond foi Sean Connery, que o retratou por cinco vezes consecutivas antes de ser substituído por George Lazenby, dando início a uma série de reencarnações que marcam cada geração.

No entanto, dada a idade de algumas dessas obras de 007, muitas coisas não envelheceram muito bem, e aqui te apresentamos os dez maiores exemplos disso.


Dublês óbvios

Certos momentos nos longas mais antigos de James Bond têm cenas em que é dolorosamente óbvio que Sean Connery ou Roger Moore não estão realizando a ação.

Às vezes, a câmera está bem no rosto do dublê. Digamos que os produtores não previam que os clássicos seriam relançados em HD, em que até coisas menos óbvias podem ser percebidas.

Frases icônicas

As curtas frases icônicas de James Bond são parte de seu charme, mas para cada “Chocante!” há uma “Mesmo com todas aquelas penas ele não pode voar”. Muitos espectadores gostam dessas piadinhas, mas algumas delas ficaram muito estranhas com o passar do tempo.

Tratamento com mulheres

Não há nada de errado com uma pessoa tentando ao máximo fazer amizade com alguém que ache atraente, mas às vezes essa pessoa pode ir longe demais. É o caso de James Bond.

Em 007 – Operação Skyfall, ele entra no chuveiro com uma mulher que acabou de conhecer, sem consentimento, e em Thunderball ele chantageia uma mulher só com roupas íntimas. E a lista continua…

Homofobia

Este é um ponto específico de 007 – Os Diamantes São Eternos, que apresenta dois assassinos chamados Sr. Wint e Sr. Kidd, que retratam estereótipos gays indiscutivelmente ofensivos.

No cinema e na televisão durante o final dos anos 60 e início dos anos 70, os membros da comunidade LGBTQ+ raramente eram representados. Quando eram, era na forma de estereótipos clichês.

Humor

James Bond faz muitas brincadeiras, muitas vezes em momentos inoportunos. No recente 007 – Operação Skyfall, tudo o que ele tem para dizer depois que uma mulher com quem teve relações íntimas é morta é “É um desperdício de um bom uísque”, referenciando o copo de álcool em cima de sua cabeça. O “timing” é tudo na comédia, James.

Pussy Galore

007 contra Goldfinger solidificou a fórmula de James Bond nos cinemas. Certamente merece reconhecimento, mas perde algum respeito por como todo o plano de Bond é focado em seduzir uma mulher que trabalha para Auric Goldfinger.

Há uma cena em que ele pressiona violentamente Pussy Galore e a beija, de alguma forma fazendo com que ela mude de lado. Não é só um ponto fraco do roteiro, mas também muito problemático quando se lembra que a Pussy Galore dos livros era lésbica.

007 – Marcado para a Morte

O terceiro ato de 007 – Marcado para a Morte acontece no Afeganistão. James Bond ajuda os Mujahideen a frustrar um plano de agentes da KGB para lucrar com um acordo no mercado negro.

Aqueles que sabem mais de história reconhecerão que os Mujahideen eventualmente se transformaram no Talibã. Rambo 3 também cometeu esse mesmo deslize.

Insensibilidade racial

Há muitos momentos da saga de James Bond que não cairiam bem no mundo contemporâneo. Em Com 007 só se Vive Duas Vezes, Bond se disfarça como um homem japonês. Além de uma ideia ruim, o disfarce era risível e não seria capaz de enganar ninguém. Com 007 Viva e Deixe Morrer caiu em uma armadilha similar.

O velho Sean Connery

Sean Connery literalmente não envelheceu bem. Depois do ótimo 007 – A Serviço Secreto de Sua Majestade, com George Lazenby, o ator escocês retornou ao papel do espião, mas com uma aparência muito diferente. Connery tinha apenas quarenta anos, mas já parecia um avô. A peruca também não ajudava.

Referências à cultura popular

Sempre que um filme faz referência à cultura popular, ele corre o risco de ficar datado. A maioria dos longas com Roger Moore incorporou gêneros que eram populares na época.

Com 007 Viva e Deixe Morrer possui dicas de “Blaxploitation”, 007 contra o Homem com a Pistola de Ouro brinca com artes marciais e 007 contra o Foguete da Morte literalmente traz uma missão para o espaço, apenas dois anos depois de Star Wars. Ao pegar carona com o que fazia sucesso na época, todos esses filmes ficaram datados.