Outlander é ao mesmo tempo uma história de viagem no tempo, um romance cativante e um drama histórico.

A série da Starz faz o possível para apresentar a maior fidelidade histórica possível, objetivo que é atingido em grande parte das tramas.

Mesmo assim, certos detalhes históricos precisaram ser mudados por razões narrativas e estéticas.


Confira abaixo os acertos e erros de Outlander em relação aos fatos históricos!

Segunda Guerra Mundial

Antes de Claire embarcar em sua jornada para a Escócia do século XVIII, Claire era uma enfermeira na Segunda Guerra Mundial. O conflito terminou em 1945, e a protagonista passou anos sem ver o marido Frank.

Realmente, na época, muitos casais passavam grandes períodos de tempo separados, já que grande parte dos homens (e uma pequena porção das mulheres) estava envolvida nos combates.

Porém, é difícil imaginar que Frank e Claire teriam conseguido viajar para a Escócia tão pouco tempo depois da Guerra. O racionamento de mantimentos ainda era adotado nos territórios ingleses, já que todo o Reino Unido havia sido afetado duramente pelas batalhas.

O clã Fraser

Ao voltar no tempo, Claire conhece Jamie, um membro do clã Fraser. A nobre família realmente existiu, e Jamie é baseado em uma pessoa real.

No entanto, as cores da família são apresentadas de maneira errônea. Os tartãs quadriculados usados por Jamie e sua família historicamente eram vermelhos e verdes, e os mostrados na série tem as cores cinza e azul.

Caça às Bruxas

Com seus pensamentos e ideologias modernas, é claro que Claire seria considerada uma bruxa pelo povo escocês do século XVIII.

No entanto, a prática de caça às bruxas e julgamentos eclesiásticos já havia chegado ao fim no país quando Claire apareceu. O último tribunal registrado foi conduzido em 1722, e Claire chega à Escócia em 1743.

Batalhas e rebeliões

A segunda temporada de Outlander acertou na maioria dos pontos referentes ao clima em Paris no século XVIII. Os acontecimentos do segundo ano da série acontecem exatamente antes do início da Revolução Jabocina e a Batalha de Culloden.

Príncipe Charlie realmente estava em Paris em 1744, tentando formar um exército para recuperar os direitos sobre o trono inglês.

Vários massacres aconteceram entre as primeiras lutas da revolução e a derradeira Batalha de Culloden, uma derrota desastrosa para os escoceses.

Uma das poucas inconsistências da segunda temporada de Outlander é o fato da série não mostrar que houve escoceses lutando dos dois lados da batalha.

Além disso, a segunda temporada conta com personagens reais. Lord Lovat é baseado em um nobre da vida real (Simon Fraser, o décimo primeiro Lord Lovat). Os figurinos exagerados da corte francesa também são completamente inspirados na moda do país na época.

Mudança de cenário

Na terceira temporada de Outlander, o cenário da série muda drasticamente.

A série mostra a Jamaica como centro do tráfico de escravos das lavouras de cana de açúcar, o que realmente acontecia na época.

Claire também estuda medicina nos anos 50. Nessa época, a presença feminina ainda não era comum nas faculdades, mas já começava a causar impacto. Por isso, Claire é mostrada como a única aluna mulher de sua turma.

Piratas e viagens

Algumas dos erros históricos de Outlander acontecem no arco dos piratas.

A captura do jovem Ian, por exemplo, provavelmente não teria acontecido. Na época, a maioria dos piratas focava em rotas entre a América do Sul e partes da África e sul da Europa.

Existem registros de ataques piratas em partes do Reino Unidos, mais especificamente na Cornuália, mas eles não eram nem de longe tão comuns como em outras partes do mundo.

A herança de Geillis

Legalmente, seria possível que Geillis tivesse herdado as propriedades de seu marido após sua morte, principalmente se o falecido tivesse exposto esse ponto em um testamento.

No entanto, provavelmente algum parente homem do morto entraria em uma briga judicial com a viúva pelo controle das propriedades. Como a lei na época (e até hoje) pendia para o lado dos homens, a personagem definitivamente participaria de uma briga difícil.

As colônias

A temporada mais recente de Outlander é ambientada principalmente nas Colônias, o Novo Mundo que um dia se tornaria os Estados Unidos.

A cidade de Wilmington realmente já existia quando Jamie e Claire desembarcam, em 1767, tendo sido criada há cerca de 30 anos antes.

A ascensão das milícias e os incentivos para os colonizadores também foram representados com fidelidade.

A caracterização das tribos indígenas encontradas por Claire e Jamie foi motivo de debates e pesquisas extensas da equipe de produção. Para produzir um retrato fiel e respeitoso, o produtor executivo Matthew B. Roberts viajou para a Carolina do Norte e se encontrou com um líder da tribo Cherokee.

Brianna e Roger

Entre as inconsistências históricas da temporada mais recente de Outlander, se destaca a viagem de Brianna e Roger para o Novo Mundo. Os personagens conseguem chegar à América com relativa facilidade, algo que teria sido incrivelmente difícil e caro na vida real.