Adaptar HQs para o cinema sempre é uma tarefa complicada. Algumas nuances dos personagens dos quadrinhos são difíceis de serem transportadas para as telas, e vários filmes mais do que provaram esse ponto.

Seja por características intrínsecas à personalidade dos heróis, histórias complexas ou motivações conflitantes, certos personagens são quase impossíveis de serem “acertados” por Hollywood.

Isso não significa que as versões dos personagens nos cinemas sejam ruins, mas que não conseguem exprimir a profundidade dos heróis e vilões nas HQs.


Confira abaixo alguns exemplos, listados pelo site What Culture!

Jonah Hex

A dificuldade de se adaptar as histórias de Jonah Hex para os cinemas é mais relacionada às decisões dos estúdios do que com o personagem em si. O herói é basicamente um arquétipo famoso do faroeste, à lá Clint Eastwood. Dessa forma, produzir um filme western moderno com o personagem não deveria ser tão difícil. Jonah Hex chegou aos cinemas em 2010, em um filme desastroso protagonizado por Josh Brolin e Megan Fox. Além de simplificar em excesso a personalidade do herói, o filme também introduziu poderes sobrenaturais que não acrescentaram nada à trama.

Arlequina e Coringa

Arlequina tem um grande potencial para se tornar uma importante anti-heroína em Aves de Rapina. Coringa foi interpretado magistralmente nos cinemas por Heath Ledger e Jack Nicholson. No entanto, o relacionamento dos personagens é que apresenta dificuldades para ser transposto para as telonas. Marcado pela abusividade do Coringa, o “namoro” entre ele e Arlequina não deve ser romantizado e muito menos glamourizado, como aconteceu em Esquadrão Suicida. Os dois personagens tem extremo apelo separados, mas filmes não conseguem exprimir as nuances do relacionamento dos dois nas HQs.

Superman

Superman é outro personagem que já ganhou encarnações justas e fiéis no cinema. O problema é que sua versão mais recente ignorou importantes elementos do herói. Nas HQs, Superman é acima de tudo um otimista, que acredita no potencial humano para o bem. A versão do DCEU de Clark Kent é extremamente emburrada, melancólica e essencialmente triste.

Batman

A trilogia de Christopher Nolan com Christian Bale no papel do Cavaleiro das Trevas é quase perfeita. Porém, o Batman também sofreu com as decisões da Warner e da DC. A versão de Ben Affleck até tentou conquistar os fãs, e contou com cenas interessantes em A Origem da Justiça e Liga da Justiça. Porém, nada se pode fazer quando os roteiros não favorecem a representação do personagem. Agora, resta esperar para ver a perspectiva de Matt Reeves sobre o herói.

Motoqueiro Fantasma

O fato de Hollywood não ter conseguido até hoje produzir uma adaptação decente de Motoqueiro Fantasma é realmente impressionante. Os filmes do herói protagonizados por Nicolas Cage foram no máximo medianos, prejudicados por uma história feita para atrair um público mais jovem e fugir da classificação indicativa. Cheio de clichês e tons inconsistentes, a franquia decepcionou muitos fãs do herói nas HQs.

Constantine

O filme Constantine, protagonizado por Keanu Reeves conseguiu trabalhar bem alguns aspectos do personagem. Porém, alguns dos elementos mais importantes (e interessantes) do feiticeiro foram deixados de fora para que o filme pudesse atrair uma audiência maior. A sexualidade do personagem, por exemplo, foi completamente ignorada. Nas HQs, Constantine é assumidamente bissexual, e a característica é essencial para o entendimento da personalidade do herói. Agora que Hollywood parece estar caminhando para uma maior representatividade, fãs podem esperar um bom filme para o futuro do herói.

Gavião Arqueiro

Embora o MCU tenha tentado, os filmes dos Vingadores só conseguiram arranhar o topo do iceberg que é a personalidade de Clint Barton nas HQs. Com características extremamente profundas, o Gavião Arqueiro é um personagem extremamente interessante que não ganhou a chance de brilhar como deveria.

X-Men

A Disney tem em suas mãos uma chance de ouro para produzir uma adaptação respeitosa e fiel às histórias dos mutantes nas HQs. Isso se não cair na armadilha de evitar os aspectos mais polêmicos e profundos dos personagens. A história dos mutantes é extremamente rica nas HQs, e os filmes da Fox procuraram se apoiar mais na fama de personagens conhecidos do que desenvolver realmente as histórias da equipe de Charles Xavier. Isso é mais do que provado com os inúmeros reboots e trocas de elenco dos filmes.