Por muitos anos, a Netfix se manteve no topo isolado no mercado das plataformas de streaming. Até hoje, “Netflix” é basicamente sinônimo a maratonas, filme e séries. No entanto, os dias de dominação da empresa podem estar próximos ao fim.

Com uma concorrência cada vez mais acirrada, a Netflix está atualmente em seu período mais complicado, com diversos problemas ameaçando sua soberania.

Conheça abaixo problemas que podem deixar a Netflix em apuros!


Cancelamentos precoces

Há muito tempo a Netflix já vem sendo criticada por cancelar séries queridas pelo público por motivações relacionadas às métricas de audiência. A revolta dos fãs começou com o cancelamento em massa das séries da Marvel, como O Justiceiro, Demolidor e Jessica Jones. Depois, a plataforma cancelou produções amadas por muitos assinantes e sucessos entre os críticos, como One Day at a Time, Santa Clarita Diet e The OA. A animação Tuca & Bertie, que conquistou a crítica especializada, ganhou apenas uma temporada. Com os cancelamentos inesperados, muitos assinantes começaram a desconfiar da plataforma e não investir tempo em séries que podem terminar sem desfecho.

Aumento de preços

Por anos, a Netflix aumenta os preços de seus planos de assinatura sem perder clientes. No entanto, segundo uma pesquisa realizada em maio deste ano, essa tendência pode chegar ao fim em breve. O estudo revelou que cerca de cerca de dois terços dos assinantes estavam dispostos a cancelar suas assinaturas se o preço aumentasse no próximo ano. Em abril de 2018, a plataforma sofreu uma das maiores “fugas de assinantes” de sua história. Mais de 126 mil pessoas abandonaram o serviço.

Contratos

Infelizmente, no futuro da Netflix terá que contar praticamente apenas com a qualidade de seu conteúdo original para manter os assinantes. O catálogo de produções não-originais fica cada vez menor, com a criação de novos serviços de streaming que retomam suas produções ao final dos contratos com a Netflix. Friends deve deixar a plataforma em 2020, para ser disponibilizada no HBO Max. The Office, que ainda está disponível no Netflix americano, vai para a plataforma da NBC em breve, e vários outros sucessos devem seguir essa tendência.

Competição

A Netflix investe bilhões de dólares em conteúdo origina, e alcançou sucesso comercial e crítico com séries como Stranger Things e filmes como Bird Box. A competição faz o mesmo. Plataformas como Hulu e Amazon estão produzindo algumas das melhores séries da atualidade, como The Handmaid’s Tale e The Marvelous Mrs. Maisel, que dominam a temporada de premiações. Com a chegada de outros serviços de streaming, a concorrência ficará ainda maior.

Jogada de risco

Em 2019, a Netflix fez uma jogada arriscada para se manter na liderança das plataformas de streaming. A empresa assinou contratos de múltiplos projetos com grandes nomes do mundo do entretenimento. Ryan Murphy, criador de séries como American Horror Story e Glee, fechou um contrato de 300 milhões de dólares com a plataforma. David Benioff e D.B. Weiss, produtores de Game of Thrones, também foram contratados em um negócio de 250 milhões. A estrategia pode dar extremamente certo se o conteúdo produzido ressonar com o público. Porém, caso não funcione, representará um prejuízo milionário para a plataforma.

Cinema

Muitos dizem que a Netflix matou o cinema, porém a plataforma parece querer se fundir com a sétima arte. Desde o ano passado, com a polêmica envolvendo a indicação de Roma para o Oscar, a Netflix cria planos para o lançamento antecipado de alguns filmes originais nos cinemas. Um bom exemplo é O Irlandês, novo filme de Martin Scorsese protagonizado por Al Pacino e Robert DeNiro. No entanto, a estrategia da plataforma pode sair pela culatra por decisões das próprias empresas de salas de cinema.

Propagandas

Embora os executivos da Netflix insistam que a plataforma nunca sucumbirá ao encanto dos anúncios pagos, análises da indústria apontam outra realidade. O modelo de negócios da Netflix precisa de crescimento constante, com ampliações, investimentos e muito dinheiro necessário para conteúdo original. O mercado da propaganda, ainda intocado pela plataforma, pode ser simplesmente irresistível no futuro. De acordo com uma análise financeira, a plataforma conseguiria cerca de 1 bilhão de dólares de lucro por ano com a introdução de propagandas.

O retorno do Torrent

Com a introdução da Netflix, muita gente abandonou o download de torrents. A praticidade da plataforma e sua segurança, para muita gente, superaram a necessidade da pirataria. No entanto, com a diversificação dos serviços de streaming e a saída de muitos projetos de sucesso das plataformas, serviços de busca e download de torrents estão voltando à tona. Segundo uma pesquisa publicada em 2018, sites como RARbg e ThePirateBay voltaram a crescer, depois de anos prejudicados pelo monopólio da Netflix.

Disney+

Entre os oponentes da Netflix, o mais poderoso é o Disney+, que ainda nem foi lançado no mercado. A plataforma da Disney terá séries originais do MCU e do mundo de Star Wars, além de todo o catálogo de filmes da empresa, animações e live-action. Todas as produções da Disney, Pixar, LucasFilm, Marvel Studios, National Geographic e Fox estarão disponíveis na plataforma, cuja assinatura será substancialmente mais barata que a da Netflix, para piorar ainda mais a situação. O Disney+ será lançado em novembro nos Estados Unidos, mas deve chegar ao Brasil só em 2020.

Você sabia que Stranger Things 3 está salvando a Netflix? Veja também porque Titãs é melhor na Netflix do que no DC Universe! A Netflix tem culpa? Entenda a polêmica de 13 Reasons Why! Saiba como a Netflix roubou toda a atenção da D23 Expo 2019 e quantos usuários do streaming compartilham suas senhas e entenda porque a Netflix pode começar a ter propagandas em breve no Observatório de Séries.