A Liga da Justiça é com certeza a equipe de heróis mais querida e importante da DC. Seja nos quadrinhos, no cinema ou na TV, o grupo conta com personagens que agradam gregos e troianos.

Desde seu lançamento nos anos 60, a equipe ganhou fãs no mundo inteiro. No entanto, certos fatos mais obscuros sobre o grupo podem ter passado despercebidos até pelos admiradores mais assíduos.

Confira abaixo 10 curiosidades surpreendentes sobre a Liga da Justiça.


O nome

De onde vem o nome Liga da Justiça? De baseball! Em 1962, o editor Julie Schwartz estava curtindo o sucesso das novas versões do Flash e Lanterna Verde, e por isso decidiu trazer de volta a Sociedade da Justiça da América como seu novo projeto. No entanto, “sociedade” parecia um termo muito chique, e por isso Schwartz rebatizou o grupo como Liga da Justiça, se baseando na Liga Nacional e Liga Americana de baseball.

A primeira aparição

A primeira aparição oficial da Liga da Justiça foi na HQ The Brave and the Bold #28. A trama trazia como vilão Starro, uma estrela-do-mar gigante do espaço, com a habilidade de controlar mentes. A HQ também marcou a primeira vez que o Aquaman apareceu na capa de uma edição de quadrinhos.

A decisão de Aquaman

Falando em Aquaman, o personagem já expulsou todos os membros da Liga da Justiça. Em uma HQ, o herói mandou embora todos os personagens que não poderiam ficar à disposição da equipe em tempo integral. Com isso, ele e o Caçador de Marte formaram um novo grupo, com heróis bem diferentes.

O maior fã

Snapper Carr teve uma carreira estranha nas HQs. Adotado como “mascote” da Liga da Justiça nos anos 60, o personagem ganhou poderes especiais em uma HQ dos anos 80. Em certa ocasião, ele quase chegou a destruir a Liga, enganado pelo Coringa.

Financiamento

Quem financia as atividades da Liga da Justiça e paga as contas? O governo? Segundo a HQ JLA: Year One, a resposta é bem diferente. A HQ revela que Oliver Queen financiou a Liga da Justiça por muitos anos, antes de ver aceito oficialmente pela equipe.

O herói esquecido

Com tantos heróis, não é de espantar que alguns personagens da DC sejam esquecidos pela história. Um dos maiores exemplos é Triunfo. O herói foi criado em 1994, com a narrativa de que o personagem foi um dos membros originais da Liga e seu capitão por algum tempo. Infelizmente, um ato de heroísmo fez com que ele ficasse preso em outra dimensão. Com isso, a realidade se modificou e apagou sua existência.

Metalinguagem

Em uma história realmente bizarra, os heróis da Liga da Justiça enfrentaram dois inimigos terríveis: Elliot S. Maggin e Cary Bates. Quem são esses? Os criadores da HQ! Os autores se inserem na história e provam ser vilões poderosos, que podem prever tudo que os personagens vão fazer.

O primeiro crossover

Quando a Liga da Justiça e os Vingadores se encontraram em 2003, foi um evento histórico. No entanto, esse não foi o primeiro crossover. Em 1972, as equipes da Marvel e DC se juntaram em uma HQ produzida para divulgar a parada de Halloween da cidade de Rutland, Vermont, que acontece na vida real.

Anjos e Demônios

A Liga da Justiça já contou em seu rol de heróis com anjos e demônios. Zauriel, um anjo do paraíso, se apaixonou por uma humana e desceu à Terra para ficar com sua amada. Ele aproveitou a oportunidade para ajudar a equipe a batalhar contra demônios e anjos rebeldes. Falando em demônios, a Liga também contou com a presença de Etrigan, um demônio com uma história complicada envolvendo cavaleiros medievais e pactos sinistros.

Séculos e séculos

A HQ DC One Million revelou que a Liga da Justiça se manteve firme e forte como um time por pelo menos 83.250 anos. No ano de 1998, a equipe recebeu uma visita por heróis do século 853, onde a Liga ainda serve como protetora, dessa vez o sistema solar inteiro. E aparentemente, o Superman original ainda está vivo, vagando pelo espaço.

O Batman de Titãs finalmente chegou… E os fãs odiaram! Veja como Brooklyn Nine-Nine foi oficializado no universo da DC graças ao Batman, a teoria de que Aqualad estará morto em Titãs e muito mais no Observatório de Séries.