Art Spiegelman, o ganhador do Prêmio Pulitzer por Maus, retirou seu ensaio introdutório para a coleção Marvel: The Golden Age, da Folio Society, depois que foi convidado a remover críticas ao presidente Donald Trump do texto.

De acordo com The Guardian, Spiegelman já havia sido convidado a escrever uma introdução para a coleção e em seu ensaio, ele explorou o histórico político da Marvel, examinando especificamente como as histórias da editora durante e imediatamente após a Segunda Guerra Mundial foram usadas ​​por escritores para lidar com questões políticas – incluindo nazismo e fascismo.

Ele então levou as coisas um passo adiante ao conectar o passado com o presente e se referiu a Trump em comparação, observando que um “Caveira Laranja assombra a América”, um aceno para o vilão do Capitão América, o Caveira Vermelha.


“No mundo real de hoje, o vilão mais maligno do Capitão América, o Caveira Vermelha, está vivo nos filmes e um Caveira Laranja assombra a América”, escreveu Spiegelman.

Spiegelman entregou sua redação no final de junho, mas depois foi contatado por um editor da Folio Society que lhe informou que a Marvel queria continuar “apolítica” e pediu-lhe para remover ou editar a referência a Trump. Em vez de fazer mudanças, Spiegelman optou por retirar completamente o seu texto do projeto.

“Me pediram para alterar ou remover a frase que se refere ao Caveira Vermelha ou a introdução não poderia ser publicada”, escreveu Spiegelman. “Eu não me considero especialmente político em comparação com alguns de meus companheiros de viagem, mas quando pediram para eliminar uma referência relativamente anódina a uma Caveira Laranja, percebi que talvez tivesse sido irresponsável sendo brincalhão sobre a terrível ameaça existencial que agora vive, e eu retirei minha introdução.”

Spiegelman lembrou que o presidente da Marvel Entertainment, Ike Perlmutter, é amigo pessoal de Donald Trump, com quem também nutre “conexões financeiras”.

“Uma história reveladora apareceu inesperadamente em meu feed de notícias esta semana”, escreveu Spiegelman. “Descobri que o bilionário presidente e ex-CEO da Marvel Entertainment, Isaac ‘Ike’ Perlmutter, é amigo de longa data de Donald Trump e conselheiro não oficial. Descobri, mais uma vez, que tudo é político… assim como o Capitão América socando Hitler no queixo.”

Spiegelman ganhou o Prêmio Pulitzer em 1992 por sua graphic novel Maus, que conta a história de seu pai, Vladek, e suas experiências como judeu polonês e sobrevivente do Holocausto. A famosa história usa ratos para representar judeus e gatos para representar os alemães.