O ator canadense e diretor Albert Schultz, da minissérie da Netflix Alias Grace, está sendo acusado por quatro mulheres por abuso e assédio sexual, enquanto trabalharam no teatro de Schultz, em Toronto.

As quatro mulheres são as atrizes Kristin Booth, de Orphan Black, Diana Bentley, de Frontier, Hannah Miller, de Dark Matter e Patricia Fagan, de Murdoch Mysteries. As atrizes alegam que Schultz a assediaram em um totla de 30 vezes separadamente, em um período de 13 anos, enquanto trabalharam na companhia de teatro de Albert.

A advogada delas, Alexi Wood, contou ao site The Hollywood Reporter, que: “Mr. Schultz abusou de seu poder por anos. Minhas clientes tentaram dizer isso a ele e à companhia Soulpepper Theather. Seus corajosos processos é o primeiro passo contra essa atitude totalmente errônea”.


Wood confirmou que as quatro mulheres prestaram queixas e processos legislativos na Corte Superior de Ontario, e farão uma coletiva de imprensa na manhã de quinta-feira (04), em Toronto. “As atrizes alegam que enquanto estavam em contato com Soulpepper, foram abusadas sexualmente e assediadas pelo seu diretor artístico, Mr. Schultz, e a companhia não fez nada para protegê-las”, segue assim um comunicado feito pela advogada.

Ambas alegam que os assédios foram através de beijos indesejados, abraços e toques praticados por Schultz, enquanto trabalharam em sua companhia de teatro, incluindo a prática de cenas íntimas em peças. Além de Alias Grace, Albert também esteve na série da BBC America, Copper, além de ser produtor executivo da série Kim’s Convenience.