A Maldição da Residência Hill ainda está esperando a confirmação de uma segunda temporada na Netflix. No entanto, enquanto isso não acontece, todos tentam desvendar o final do primeiro ano, que pode dar indicações para novos episódios.

Para ajudar a colocar mais lenha na fogueira, ainda mais com diversos rumores que circulam, o ator Oliver Jackson-Cohen revelou um easter egg que pode trazer uma reviravolta ao que foi entendido do final da série.

CONTÉM SPOILERS


No último episódio da primeira temporada, os Crane sobreviventes voltam para Residência Hill e ficam presos no quarto vermelho. Até que eles são salvos pelo pai, Hugh (Timothy Hutton), que sacrifica a sua vida.

Ao The Wrap, Jackson-Cohen afirmou que o quarto vermelho não funciona de uma maneira tão simples. Os irmãos Crane ainda estariam presos lá.

“Há algo que acontece quando você está lá. Em qualquer momento que uma criança, ou irmãos, está no quarto vermelho, algo na fantasia é vermelho. E é algo muito, muito pequeno… e há algo no final – isso foi Kate Siegel, que vive Theo, que apontou para mim – com o bolo de sobriedade de Luke. Ele disse, ‘o bolo é vermelho’. E no set, eu fiquei, ‘Meu Deus’. Ela disse, ‘Eu não sei’, e eu perguntei para Mike Flanagan (roteirista), e ele também não sabe o motivo de ser vermelho”, explicou o ator.

A Maldição da Residência Hill | Vídeo reúne mais de 40 fantasmas escondidos na série

Jackson-Cohen não pode garantir se a sua teoria de A Maldição da Residência Hill é verdadeira. Mas, parece fazer bastante sentido. Confira a imagem da cena citada abaixo.

A Maldição da Residência Hill gira em torno da família Crane, que precisa enfrentar acontecimentos aterrorizantes em uma mansão de oitenta anos. A série adapta o clássico livro de terror da autora Shirley Jackson

Michiel Huisman, Carla Gugino, Timothy Hutton, Henry Thomas, Elizabeth Reaser, Oliver Jackson-Cohen, Kate Siegel, Victoria Pedretti, Lulu Wilson, Mckenna Grace, Paxton Singleton, Julian Hilliard, e Violet McGraw formam o elenco.

O livro já foi adaptado anteriormente para o cinema duas vezes, em um filme de 1963, dirigido por Robert Wise, e outro de 1999, de Jan de Bont. A nova versão foi criada por Mike Flanagan (Jogo Perigoso, O Espelho).

A Maldição da Residência Hill já está disponível na Netflix.