O criador de Fuller House, Jeff Franklin, foi demitido como showrunner da série no fim de 2018. Franklin acusou Bryan Behar de calúnia, de ter sido sabotado para Behar se tornar showrunner.

A Warner Bros, no entanto, revelou que o caso não é bem isso.

Silisha Platon, vice presidente de relações trabalhistas do estúdio fez uma declaração sob juramente, em tribunal de Los Angeles, dando base para as declarações de Behar. A informação é do THR.


Platon disse que as investigações sobre a conduta de Franklin acontecem desde 2016, antes do caso de Harvey Weinstein e do #MeToo. A invesitgação começou após uma alegação sobre o comportamento de Franklin no set da série, assediando membros da equipe, além de criar um ambiente tóxico.

Uma mulher disse que Franklin falava sobre as orgias que tinha nos finais de semana, enquanto duas outras disseram que ele pedia para elas levarem seus biquinis.

Além disso, Franklin teria reclamado várias vezes sobre a contratação de diretoras e pessoas negras  para trabalhar na série, além de preferir roteiristas homens, que mulheres.

As quatro temporadas de Fuller House estão disponíveis na Netflix.