A FX já está causando polêmica pelo tema da terceira temporada de American Crime Story, que abordará o escândalo sexual da presidência de Bill Clinton. Para melhorar a situação, a série chega em setembro de 2020, período de eleições presidenciais nos EUA.

Em entrevista para o TV Guide, o presidente da FX, John Landgraf, defendeu a série após diversos jornalistas criticarem a escolha do tema – e o timing de lançá-la em meio a eleições presidenciais.

“Deixe-me dizer algo sobre o ambiente atual. Quando alguém escreve algo sem nem saber como é o roteiro… Essa pessoa sabe o que a série é, qual vai ser a resposta do público, e como vai impactar a história, certo? Isso quer dizer que não podemos conversar, nem fazer arte e nem nuances? Eu nem vou esperar o julgamento. Isso é um ambiente de mídia tóxica”, diz Landgraf.


“Eu acredito no projeto. Eu li e acho que é ótimo. Eu não acredito que ele vai determinar quem é o próximo presidente dos Estados Unidos. Isso é um pouco histérico”, afirma.

O foco da nova temporada será no escândalo sexual envolvendo o então presidente americano Bill Clinton e Monica Lewinsky. A história traz um caso amoroso entre Clinton e Lewinsky, que era estagiária na época. O título da temporada será Impeachment: American Crime Story.

O elenco trará Beanie Feldstein (Fora de Série) como Lewinsky e a sempre presente Sarah Paulson como Tripp, sua confidente. Annaleigh Ashford (Masters of Sex) também estará na série, no papel de Paula Jones.

O roteiro será escrito por Sarah Burgess, que adapta o livro A Vast Conspiracy: The Real Story of the Sex Scandal That Nearly Brought Down a President, de Jeffrey Toobin.

Impeachment: American Crime Story será lançado no FX em 27 de setembro de 2020.