Bob Esponja não está a salvo de controvérsias, e a maior delas é sobre Bob Esponja ser gay e “tentar tornar as crianças gays”. Bob Esponja foi criado por Stephen Hillenburg e estreou na Nickelodeon em 1999, tornando-se uma das séries de animação americanas mais duradouras e que também se expandiu com sucesso para outras mídias.

Bob Esponja e seus amigos têm seus próprios quadrinhos, filmes, jogos e muito mais.

Bob Esponja segue as aventuras diárias do personagem-título (uma esponja do mar que parece uma esponja de cozinha) ao lado de seus melhores amigos Patrick, Sandy, seu vizinho Lula Molusco, seu chefe Seu Siriguejo e seu “inimigo” Plankton. Bob Esponja esteve envolvido em todos os tipos de aventuras e situações difíceis, mas ele sempre consegue se destacar graças à sua natureza sempre alegre e otimista, o que, por sua vez, lhe rendeu algumas críticas sérias.


O personagem foi acusado de promover a homossexualidade, com vários grupos expressando seu desconforto e até exigindo que a Nickelodeon parasse de transmitir o programa. Claro, isso não impediu Bob Esponja de continuar suas aventuras subaquáticas, mas é um arquivo desnecessário na história do programa.

A controvérsia

A controvérsia de “Bob Esponja é gay” pode ser encontrada desde 2002, quando o episódio “Rock-a-Bye Bivalve” foi ao ar pela primeira vez. Nele, Bob Esponja e Patrick adotam uma vieira abandonada, com Bob Esponja assumindo o papel de mãe e Patrick do pai.

O programa foi acusado de promover o casamento gay, mas como as esponjas do mar não são do sexo feminino ou masculino, Bob Esponja ser mãe é realmente normal para ele – ainda mais ao lembrar que Hillenburg era um educador de ciências marinhas, e ele tentou acrescentar características da vida real nos personagens. Hillenburg até esclareceu que considerava o personagem “um tanto assexual”, e todas as alegações de que Bob Esponja é gay são falsas.

Alguns anos depois, em 2005, um vídeo com clipes de programas infantis, incluindo Bob Esponja, promovendo diversidade e tolerância, foi criticado por um grupo evangélico, afirmando que o programa estava “defendendo a homossexualidade”. Hillenburg reafirmou sua posição, acrescentando que a preferência sexual não teve um papel no objetivo que pretendiam com a série.

Outros apontaram que o relacionamento de Bob Esponja com seu melhor amigo, Patrick, promove a homossexualidade, porque os dois supostamente seriam um casal. Enquanto isso, alguns outros simplesmente decidiram que Bob Esponja é gay por causa de como ele age.

Como em muitos outros desenhos da década de 1990, os personagens não foram criados com uma preferência sexual, pois esse não é o objetivo do programa, e mesmo que fosse esse o caso, não há nada de errado com a diversidade nos programas infantis (como visto nos desenhos modernos). Se é necessário que haja um rótulo sobre Bob Esponja, que seja o de um personagem assexuado, como disse seu criador, simplesmente porque a espécie de Bob Esponja é assim.

No final, a Nickelodeon sabe do que realmente trata o programa e continua trabalhando nos novos episódios de Bob Esponja, apesar das controvérsias sobre seu personagem principal.